Suicídio - Vincent Cheung


Resultado de imagem para suicídio de Judas



Eu acho que uma pessoa que comete o suicídio pode ser salva. Você acha que 1 Coríntios 10:13 apresenta um problema para este ponto de vista? O versículo diz: 

"Nenhuma tentação te agarrou, exceto o que é comum ao homem. E Deus é fiel; Ele não vai deixar você ser tentado além do que você pode suportar. Mas quando você é tentado, ele também irá fornecer uma saída para que você possa se levantar debaixo dela. "


Para começar, podemos dizer duas coisas sobre suicídio. Primeiro, uma vez que a definição bíblica de assassinato é o término deliberado de uma vida humana sem a aprovação preceptiva de Deus, isso deve significar que o suicídio é equivalente ao assassinato. Em segundo lugar, para aquele que comete este ato, é ainda mais fatal do que se ele fosse assassinar alguém. Uma vez que o assassino é também aquele que foi assassinado, não só a vida é terminada, mas não há oportunidade de arrependimento e restauração. Portanto, devemos concluir que o suicídio acarreta muito perigo espiritual.

Agora, eu não tenho aversão pessoal à idéia de que todos aqueles que cometem suicídio são de fato não-cristãos, independentemente do que eles afirmam acreditar. Se todos aqueles que cometerem suicídio forem enviados para o inferno, então que assim seja. Minhas emoções não me fazem preferir uma posição ou a outra. Dito isto, neste momento, eu não estou convencido de que este é realmente o caso. Em outras palavras, parece que é possível para um verdadeiro crente se matar.

A razão para o suicídio pode ser um fator. A pessoa é louca? Será que a pessoa sofre de depressão extrema, ou constante e prolongado, ou sofreu abuso sexual ou físico sem forma aparente de fuga? Ele está enfrentando uma espécie de pressão ou perigo tão extremo que ele acha que o suicídio é a única opção? Ou, ele é um soldado ou agente do governo que é capturado pelo inimigo, e que acha que ele deve recorrer ao suicídio em vez de arriscar revelar informações secretas que possam comprometer o seu país?

Não estou afirmando que esses fatores concedem permissão moral para o suicídio, mas apenas que estas são questões relevantes para a resposta sobre esse caminho, e que mesmo que a maioria dos casos de suicídio são pecaminosos, é possível que alguns casos não são. Talvez um homem insano seja tão culpado quanto qualquer um. Isso é algo que precisamos discutir. Às vezes é difícil para os de fora julgar. No entanto, parece que a situação com o soldado ou agente vem sob uma categoria diferente de razões, e muito mais provável de ser aceitável, se é realmente aceitável. Poderia ser considerado um ato de sacrifício voluntário em uma situação de guerra e, como tal, é muito diferente de uma pessoa que se mata apenas porque está deprimido, ou porque é um adolescente confuso, ou porque deve muito dinheiro à alguém.

Quanto a 1 Coríntios 10:13, isso não contradiz a visão de que um crente poderia cometer suicídio e ser salvo. Isto é porque qualquer pecado é um pecado contra 1 Coríntios 10:13. Significa apenas que nunca há uma desculpa para o pecado, incluindo o suicídio. Mas nós ainda muitas vezes pecamos, e recebemos o perdão por isso através da fé em Jesus Cristo. Da mesma forma, na medida em que é pecaminoso, pode significar que o suicídio nunca é necessário, e é errado para uma pessoa  pensar que é a sua única opção. Mas, novamente, nenhum pecado é necessário, ou a única opção de uma pessoa. E se há uma distinção entre suicídio pecaminoso e não pecaminoso, então o versículo significa que o suicídio pecaminoso nunca é necessário.

Alguns argumentos bíblicos  estão longe de ser conclusivos.

Por exemplo, o suicídio de Judas é insuficiente para estabelecer sua pecaminosidade. Ele pecou ao trair Cristo, pecou novamente ao não se arrepender e depois pecou mais uma vez no assassinato. Mas não há nada aqui para nos dizer que o próprio suicídio é pecaminoso - sabemos que é pecaminoso de outras partes da Escritura. Não há nada aqui para nos dizer se uma pessoa que comete suicídio é necessariamente exposta como um incrédulo e condenada ao inferno porque ele comete suicídio. Ou, quanto a isso, embora saibamos que Judas é réprobo, não há nada aqui que nos diga que só uma pessoa reprovada, destinada ao inferno, se suicidará.

Por outro lado, tampouco podemos dizer que o exemplo de Sansão justifica o suicídio, pelo fato de não ser suicídio. Por sua demonstração final de força, "ele matou muitos mais quando morreu do que enquanto ele viveu" (Juízes 16:30).

Em outras palavras, ele fez mais para cumprir sua missão neste ato, que ele sabia que iria matá-lo também, do que em suas façanhas anteriores. Ele teria se matado se soubesse que nenhum filisteu teria morrido por causa disso? E se ele realmente quis cometer suicídio como tal , por que ele não fez isso muito mais cedo? Ele estava em cativeiro o suficiente para que seu cabelo crescesse novamente. Ele poderia ter se matado a qualquer momento durante este período, apenas mordendo a língua e sangrando até a morte. Sim, ele sabia que ia morrer (versículo 30),  Mas ele declarou sua intenção dois versos mais cedo, quando ele disse: "Ó Senhor Deus, lembra-te de mim. Ó Deus, por favor, fortalece-me apenas mais uma vez, e deixa-me com um só golpe vingar os filisteus pelos meus dois olhos. "Seu objetivo principal era matar os filisteus. Ele morreu em combate, cumprindo sua missão melhor do que qualquer coisa que ele fez antes. Assim, é difícil chamar esse suicídio como tal.

Devemos continuar a examinar os argumentos bíblicos sobre o tema. Em todo caso, mesmo se dissermos que é possível que um crente genuíno possa cometer suicídio, devemos insistir que ele continue a ser um ato espiritualmente perigoso, e devemos fazer o nosso melhor para advertir as pessoas contra ele e desviá-las. É claro que a melhor solução a longo prazo não é a de esperar até que ele chegue ao ponto de suicídio, mas sim de exercê-lo diariamente com fé e piedade, e obter ajuda, conselho e encorajamento de uma comunidade cristã.

Ao aconselhar aqueles que consideram o suicídio, devemos ter compaixão com relação aos problemas que eles  estão enfrentando; No entanto, devemos também lidar com eles firmemente sobre a sua atitude.

Para ilustrar, os abortistas perguntam: "As mulheres não têm o direito de decidir o que fazer com seus próprios corpos?" Em vez de dizer: "Sim, mas ...", devemos responder: "Claro que não!" Deus é quem dita o que se devem fazer com seus corpos, e como devem tratar os corpos de seus filhos em seus ventres. A verdade é que não temos autoridade absoluta sobre nossos próprios corpos, mesmo em relação a outras pessoas, uma vez que Deus também definiu os princípios que governam várias relações humanas. Por exemplo, os pais têm o direito de punir fisicamente suas crianças desobedientes, e aqueles que são casados ​​possuem direitos conjugais sobre seus cônjuges, homens ou mulheres.

Consequentemente, aqueles que contemplam o suicídio devem aprender que eles não têm direitos finais sobre seus próprios corpos, uma vez que eles são propriedade de Deus. Isso é verdade para os crentes, em um sentido especial, já que a Escritura os chama de tesouro e possessão de Deus. Mas se eles são cristãos ou não-cristãos, a menos que tenham a permissão preceptiva de Deus - isto é, a menos que a Escritura aprova - eles não têm o direito moral de se matar.

Além disso, devemos afirmar que se uma certa pessoa que comete suicídio é, no entanto, salva, é unicamente devido à graça soberana de Deus, que o escolheu para a salvação, e o sangue expiatório de Cristo, que pagou por todos os seus pecados, incluindo o que parece ser um ato final de rebelião e descrença.


O que quer que façamos, não devemos minimizar o perigo associado ao suicídio, pois mesmo que existam casos excepcionais em que o "suicídio" é permitido, trata-se de exceções (guerra, sacrifício, talvez insanidade extrema, etc.). Podemos dizer com confiança que mesmo se o suicídio não é pecaminoso em todos os casos, é pecaminoso na maioria dos casos. E mesmo que o suicídio às vezes seja cometido por alguns crentes genuínos, a maioria dos que cometeram suicídio são incrédulos. Portanto, a maioria das pessoas que cometem suicídio são enviados para o inferno, e lá eles vão sofrer tortura extrema consciente eterna. Desta vez, não haverá escapatória.


Via: http://www.vincentcheung.com/2006/09/30/suicide/

Tradução e Revisão: Edu Marques

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Marcadores

A Catástrofe Corintiana A Causa de Deus e a Verdade-John Gill A Expiação de Cristo A Palavra Final de Deus A.A. Hodge A.J. Gordon A.W. Tozer A.W.Pink Aborto Abraham Booth Abraham Kuyper Aconselhamento Adam McIntosh Adauto Lourenço Ademir Moreira Adoração Adventismo Ageu Magalhães Agostinho de Hipona Alexander Peden Aliança Alvin Plantinga Amor bíblico e seus frutos-Jonathan Edwards Anabatistas Andreas Kostenberger Andrew Sandlin Angus Stewart Anthony Hoekema Anthony Hoekema-Sono da Alma Anticristo Antônio C. Costa Antropologia Bíblica-Homem Apologética Apostasia Argumento Cosmológico Arminianismo Arrependimento Artur Schoppenhauer As Belezas de Cristo Ateísmo Atributos de Deus Augustus M. Toplady Augustus Nicodemus Lopes Avivamento B.B.Warfield Barry Gritters Batismo Batismo Infantil. Batismo no Espírito Santo BATISMO POR ASPERSÃO E BATISMO DE CRIANÇAS Benjamin L. Merkle Billy Graham Brian Croft Brian Crossett Brian Schwertley C Michael Patton C. D. Cole C. Matthew McMahon C. S. Lewis C.H.Spurgeon Calvin Gardner Calvinismo. Carl F. H. Henry Carl Henry Carl R. Trueman Casamento Catolicismo Romano Ceia do Senhor César Francisco Raymundo Cessacionismo Charles Hodge Cobertura(Headcovering) Comunismo/Socialismo Conhecimento de Deus Controle de Armas Cornelis Pronk Cosmovisão Cristã Cotton Mather Covenanters Craig S. Keener Credos e Confissões Criação e Providência Cristologia Crítica Textual Crônicas Eclesiasticas Culto Familiar Cura Divina D.A. Carson Daniel Nash Daniel Sanchêz Daniel Santos Daniel Wallace Dave Harvey David Brainerd David C Gardner David Chilton David Dickson David J. Engelsma David Murray David P. Smith David Silversides David Tay David Wilkerson Dennis Downing Depravação Depressão Determinismo Dez Mandamentos Dia do Senhor Diáconos Diálogo de um Filósofo Cristão com um Filósofo Chinês Diálogos sobre a Metafísica e a Religião Dione Júnior Disciplina eclesiástica Discipulado Dispensacionalismo Dízimo Dogmática Reformada (Herman Hoeksema) Dom de Línguas Don Codling Donald Gee Doug Douma Douglas Wilson Doutrina da Salvação Doutrina de Cristo. Doutrina do Espírito Santo. Dr. W. Gary Crampton Dwight Hervey Small Eclesiologia Ecumenismo Eduardo Marques Educação Edward J. Carnell EJ Hutchinson Eleição Elienai B. Batista Émil Cioran Empirismo Epistemologia Erlo Stegen Escatologia Escrituralismo Escrituras Esli Soares Espiritismo Estudo sobre as Escrituras ESTUDO-O ESPÌRITO SANTO Ética Ética Cristã Evan Roberts Evandro Júnior Evangelho Evangelismo Exegese Expiação Exposição Fabrício Bezerra Falsa Religião Família Cristã. Fatalismo Fé Reformada Feminismo Feriados Pagãos Filosofia da Religião Filosofia/Lógica Francis A. Schaeffer Francis Frangipane Francis Nigel Lee Francis Roberts François Turretini Franklin Ferreira Friedrich Schleiermacher G. K. Chesterton G.I. Williamson Garnet Howard Milne Gary DeMar Gary North Gavin Ortlund Geehardus Vos Geoffrey Thomas George Gillespie George I. Mavrodes George Van Popta George Whitefield Gerard Von Groningen Gilson Santos Gordon Fee Gordon H. Clark Gordon J. Wenham Gottschalk Graça de Deus Graça Incomum Graça Irresistível Graça Soberana Greg L. Bahnsen Gregory Koukl Hans-Hermann Hoppe Heber Carlos de Campos Heinrich Bullinger Helder Nozima Herman Bavinck Herman C. Hanko Herman Hoeksema Hermenêutica Hermisten Maia Hernandes Dias Lopes Hinos Presbiterianos História da Igreja Historicismo Homossexualismo Horatius Bonar Ian Murray Igreja/Eclesiologia Imagem de Deus Irracionalismo Islamismo Iury Anderson J Gresham Machen J. I. Packer J. Lee Grady J.C. Ryle Jabesmar A. Guimarães Jack Deere Jacques Theron James Durham James N. Anderson James R. White Jason Petersen Jay Petersen Jay Rogers Jeff Oliver Jeremiah Borroughs Jeremy Gardner João Calvino João Crisóstomo Jock Purves Joe McKeever Joe Morecraft Joe Thorn Joel Beeke Joel McDurmon Joel Parkinson Joelson Galvão Johannes Gerhardus Vos Johannes Wollebius John Angell James John Bunyan John Dick John Flavel John Frame John G. Paton John Geree John Gill John H. Gerstner John H. Leith John Knox John MacArthur John Murray John Owen John P. Sartelle John Piper John Stott John W. Robbins John Welch John Welsh John Wesley Jon Bloom Jon Miltimore Jon Ruthven Jonathan D. Moore Jonathan Edwards Jordan Hall Jorge Fernandes Isah Josafá Vasconcelos Josemar Bessa Joseph Alleine Joseph Pipa Joshua Harris Jovens Joy Hicks Justificação Justino Mártir Karl Barth Kenneth L. Gentry Jr. Kenneth Wieske Kent Hovind Kevin DeYoung Kyle Baker Larry Pratt Leandro Lima Lei Leonard Ravenhill Leonardo Dâmaso Lewis Bayles Liberalismo Ligon Duncan Livre-Agência Livre-Arbítrio Louis Berkhof Ludwig von Mises Luiz Sayão Luke Miner M. Thomas Wark M.J. Slick Maçonaria Magistrado Civil Magistrados Malebranche Manuel Canuto Marcos Granconato Mark Driscoll Mark Jones Mark R. Rushdoony Marshall Segal Martin Lloyd-Jones Martinho Lutero Martyn McGeown Matt McCullough Matt Perman Matthew Henry Matthew McMahon Mauro Meister Meditações Metafísica Metodismo Mez Mcconnell Michael J. Kruger Michael L. Brown Miguel Núñez Milagres Missões Mistérios da Bíblia Moisés Bezzeril Molinismo Mormonismo Morte de Cristo Nancy Pearcey Natanel Rinaldi Ned Stonehouse Nelson Ávila Nicholas Batzig Niilismo No que Cremos Norman Geisler Nossa Confissão de Fé O homem do Pecado O que Jesus disse O Selo do Espírito O.Palmer Robertson Ocasionalismo Oração Origem da Alma Os Livros da Bíblia Os Puritanos Pacto Páscoa Paul David Cull Paul Maxwell Paul Tripp Paul Washer Paulo Anglada Paulo Romeiro Pecado Pelagianismo Pentatêuco Pentecostalismo Perseverança Peter D. Neumann Peter Masters Phil Newton Philip Graham Ryken Plínio Sousa Política Pós-milenismo Pós-Milenismo:Loraine Boettner Predestinação Pregação Presbiterianismo Presbíteros Présciência Preterismo Princípio Regulador de Culto Profecia Providência Quer Deus Salvar a Todos? R. J. Rushdoony. R. Scott Clark R.C.Sproul R.J George R.K. MacGregor Wright R.M.M'Cheyne R.T. Kendall Reino de Deus Renato Vargens Revelação Ricardo Moura Lopes Coelho Richard Baxter Richard Gaffin Richard Sibbes Richard T. Zuelch Richard Wurmbrand Robert D. Decker Robert Harbach Robert L. Alden Robert L. Reymond Robert P. Menzies Robert P. Murphy Roger Stronstad Roger T. Beckwith Romanos Ronald Hanko Ronald Nash Ronald Van Overloop Rosaria Butterfield Ross A. Taylor Royce Smith Ryan Hedrich Sacramentos Salmodia Exclusiva Salvação Sam Storms Samuel Rutherford Santidade SAUL E A PITONISA DE EN-DOR Schleiermacher Seitas/Heresias Sinclair Ferguson Sistema de Apelos Soberania de Deus. Sobre Gênesis 6:2-4. Solano Portela Stanley M. Horton Stephen Altrogge Stephen Charnock Stephen Downes Stephen Matteucci Steve Rays Steven R. Houck Stuart Olyott Suicídio Supralapsarianismo Tatuagens Teísmo Aberto Temas Éticos e Sociais Teologia/Teologia Reformada Teonomia Testemunhas de Jeová Thomas Boston Thomas Brooks Thomas Goodwin Thomas Hooker Thomas Paul Simmons Thomas Watson Tim Challies Timothy Keller Tom Hicks Tomás de Aquino Tony Reinke Tortura Trey Smith Trindade Túlio Cesar Costa Leite Túlio César Costa Leite Ulrico Zwínglio Um Retrato de Deus-Stephen Charnock Universalismo Valdeci dos Santos Veli-Mati Kärkkäinen Vern Poythress Vida Cristã Vincent Cheung Walter C. Kaiser JR Wayne A. Mack Wayne Grudem Wilbur N. Pickering Wilhelmus à Brakel William Ames William Barcley William Einwechter William Gurnall William Hendriksen William Lane Craig William Langerak William Macleod William Perkins William Tyndale Wilson Porte

Total de visualizações

Tecnologia do Blogger.

RECEBA OS ARTIGOS POR EMAIL

Termos de Uso e Política de Privacidade

Os artigos publicados e republicados são de inteira responsabilidade de seus autores. Você está autorizado a compartilhar os artigos deste blog para futuras republicações, desde que informe corretamente o autor, tradutor , as fontes intermediárias, inclusive nós do Apologética/Defesa da Fé. Não é permitido a alteração do conteúdo original, fazendo isso e quebrando o Nono Mandamento que é : "Não dirás falso testemunho contra teu próximo" Êxodo 20.16, e a utilização desse para fins lucrativos.

Sobre o Blog

Embora concordemos no essencial, nós do Apologética/Defesa da Fé, podemos discordar em algumas questões. Por isso, os artigos expressam o pensamento de seu autor ou editor, e não são, necessariamente, a opinião dos demais membros da equipe, exceto quando assinados, traduzidos e revisados juntos.



A Graça e a Paz de Cristo e por seu Reino.

Artigos Populares